Arquivo da categoria: Teatro

FRASES E FRASES

Não foram poucos os que tombaram. Para cada um que caía, outros se levantavam. Até que a democracia avançou, conquistou espaços e desaguou nas ruas deste país para, finalmente, se tornar direito, com o pleno restabelecimento das liberdades.

Porque viver é mais que sobreviver – é ter oportunidade de conquistar uma existência digna. Sem dignidade, a própria existência deixa de ter valor.

(Presidente Lula na cerimônia de entrega do Prêmio Nacional de Direitos Humanos)

“O coronel disse que posso trabalhar sem ânfora (…) Ele (o coronel) trabalha de graça? Ele tem conta para pagar, nós também temos”.

“Agora, esse governo do (prefeito Gilberto) Kassab (DEM) proíbe (apresentações artísticas). Literalmente proíbe” (…) Fui perguntar, saber se havia alguma autorização para poder me apresentar e não há uma autorização. É negado. Não é só música, qualquer tipo de manifestação artística é negada pelo município de São Paulo”.

“Eu me transportei para a década de 70, quando o artista era espancado, torturado. Me parece que a gente tá vivendo aquela época num governo municipal.”

(Frases de artistas de rua de São Paulo que foram proibidos pela prefeitura da capital de receberem doações pelos seus trabalhos)

ENUNCIAÇÕES DAS PÁGINAS ÍNTIMAS DE FRANZ KAFKA

Diário. 13 de fevereiro de 1912

“Começo a escrever a conferência que deve acompanhar os textos declamados por Lowy. Realizar-se-á no domingo, 18. Não tenho já muito tempo para me preparar e, contudo devo cantar um recitativo como uma ópera. Por esta única razão é que, desde há dias, uma agitação ininterrupta me oprime e, em solidão, antes do início propriamente dito, quereria escrever por minha própria conta algumas palavras, a fim de só me apresentar em público já dentro do texto. O frio e o calor alternam dentro de mim com as palavras de uma frase, sonho com a expansão e a queda melodiosas. Leio frases de Goethe como se percorresse com todo o meu corpo a gama das entonações.

DILMA É MUITOS NO CIRCO VOADOR AMANHÃ

TRECHOS DO ATO PRÓ-DILMA NO RIO DE JANEIRO

Dilma ao lado de Chico Buarque em ato com centenas de pessoas (Foto: Ivone Perez) Retirada do Portal Rede Brasil Atual

Com informações do Portal Rede Brasil Atual

QUEM COMPARECEU A FESTA

Quem estava presente no ato, entre tantos outros e as mais de mil pessoas que não conseguiram entrar no Teatro Casa Grande, no bairro do Leblon, era: Beth Carvalho e o arquiteto Oscar Niemeyer (ambos de cadeira de rodas),Geraldo Azevedo, Alceu Valença, Alcione, Chico César, Wagner Tiso, Paulo Betti, Fernando Morais, Sérgio Mamberti, Osmar Prado, Hugo Carvana, Marilena Chauí, João Pedro Stédile, Leci Brandão, Ziraldo, José Celso Martinez Corrêa, Márcio Thomaz Bastos, Saturnino Braga e Jaques Wagner, Margareth Menezes, Elba Ramalho, Rosemary, Antônio Grassi, Naná Vasconcelos, Jorge Salomão, Antônio Pitanga, Yamandú Costa, Renato Borghetti, Luiz Carlos Barreto, Otto, Hildegard Angel, Teresa Cristina, Perfeito Fortuna, Pedro Tierra, Marcelo Serrado e Cristina Pereira. Gilberto Gil, Zeca Pagodinho e Mano Brown, não puderam comparecer ao ato, mas enviaram suas mensagens de apoio a Dilma.

A ABERTURA

Como discurso inicial do ato organizado pelo sociólogo Emir Sader e o teólogo Leonardo Boff, o ator Osmar Prado (mestre de cerimônia do ato) falou:

“Esta casa recebe, como em outros momentos da história, representantes da inteligência, da sensibilidade e da criatividade brasileiras para escrever mais um capítulo da construção da democracia plural, mestiça, multicultural e sustentável que sonhamos com todos os brasileiros e brasileiras para o Brasil do século 21. Reafirmamos o compromisso com a continuidade e o aprofundamento das conquistas alcançadas pelo povo brasileiro ao longo dos oito anos do governo Lula, com liberdade, com democracia, com inclusão social, com respeito ao meio ambiente e com soberania nacional”.

A ALTERNATIVA À DILMA É:

Emir Sader recebeu vigorosos aplausos ao ressaltar que a alternativa à Dilma Rousseff “é o obscurantismo, a intolerância, a repressão, é o caminho do fascismo”.

A FILÓSOFA MARILENA CHAUÍ E A SOLIDARIEDADE RELIGIOSA

A plateia do ato pró-Dilma também reagiu com entusiasmo à participação da filósofa Marilena Chauí, que levou com ela alguns exemplares do panfleto “católico” que traz inúmeras acusações à candidata do PT: “Isso é obsceno. Ele é religiosamente obsceno e politicamente obsceno. Religiosamente obsceno porque é uma violência contra o ecumenismo religioso, a liberdade de crença e a liberdade de religião. É uma violência inenarrável e inadmissível. É também uma obscenidade política porque recusa aquilo que caracteriza o que é o núcleo da democracia republicana moderna, que é o caráter laico do Estado”, disse Marilena, que resumiu a importância da vitória de Dilma: “Nossa batalha é pela consolidação da democracia no Brasil”, disse.

“DEIXA DILMA ME LEVAR, DILMA LEVA EU”

Beth Carvalho, suave como sempre, leu uma carta que fez para Dilma: “Estou me recuperando de uma cirurgia, mas fiz questão de vir aqui hoje pessoalmente para dizer a todo o Brasil e principalmente à essa guerreira chamada Dilma Rousseff o meu apoio. Ela já provou, principalmente nos últimos oito anos de governo, que tem sido a melhor administradora que esse Brasil poderia ter, que sabe governar e que por isso ajudou a conquistar a maior popularidade que um governo já teve na história do nosso país. É por isso que o Brasil vai te eleger”, disse Beth, que levou o Casa Grande novamente ao delírio ao puxar “Deixa a Dilma me levar, Dilma leva eu”, em versão do samba consagrado na voz de Zeca Pagodinho.

O “ANJO GABRIEL” ENCONTRADO POR BOFF

O “anjo Gabriel”, como Chico Buarque é chamado por Leonardo Boff,  também deu o seu recado: “Vim aqui reiterar meu apoio entusiasmado à Dilma, uma mulher de fibra que passou por tudo, que não tem medo de nada e que, sobretudo, vai herdar o senso de justiça social que é a marca do governo Lula. Governo que não corteja os poderosos de sempre e que não tem em sua índole desprezar os sem-terra, os professores, os garis. Temos hoje um país que é ouvido em toda parte porque fala de igual para igual com todo mundo. Não fala fino com Washington nem fala grosso com Bolívia e Paraguai. Por isso mesmo, o Brasil é ouvido e respeitado no mundo inteiro como nunca antes na história deste país”,

DEMARINA A DILMA: LEONARDO BOFF

Leonardo Boff, que votou em Marina Silva no primeiro turno, disse: “Se a esperança com Lula venceu o medo, agora com Dilma a verdade vai vencer a mentira. Acho que essa eleição é mais do que o confronto entre dois candidatos. É o confronto entre duas propostas para o Brasil. O destino brasileiro depende da vitória de Dilma porque se a oposição ganhar nós vamos ter imensos retrocessos”, e continuou, “a primeira coisa que temos de garantir é a revolução extraordinária que Lula fez no sentido definido por Caio Prado Júnior, ou seja, aquelas transformações que atendem às necessidades fundamentais de um povo e definem um rumo novo para um país. Essas necessidades fundamentais foram em grande parte realizadas no governo Lula”.

QUEM JÁ ASSINOU O MANIFESTO PRÓ-DILMA

Aderbal Freire-Filho, Alessandra Negrini, Aldir Blanc, Carlinhos Vergueiro, Chico Diaz, Débora Colker, Diogo Nogueira, Dira Paes, Domingos de Oliveira, Ednardo, Isaac Karabishevsky, Francis Hime, João Bosco, José Padilha, Jorge Furtado, Lucélia Santos, Martinho da Vila, Miúcha, Neguinho da Beija-Flor e Renato Teixeira, todos estes assinam o manifesto Pró-Dilma.

Artistas e intelectuais fazem ato pró-Dilma hoje no Rio de Janeiro

Portal do PT

chico buarque 300x230 Artistas e intelectuais fazem ato pró Dilma hoje no Rio de Janeiro
Cantor, compositor e escritor Chico Buarque.

 

Um grupo de artistas e intelectuais liderados por Leonardo Boff, Chico Buarque, Emir Sader, Eric Nepumuceno está articulando adesões ao manifesto de apoio político a eleição de Dilma Roussef. Se você puder aderir agradeceríamos muito: mande sua adesão para emirsader@uol.com.br ; ericnepomuceno@uol.com.br

E, se você puder, divulgue aos seus amigos do Rio para participarem do ATO POLITICO de entrega do manifesto à candidata, no Teatro CASA GRANDE, dia 18 de outubro, às 20 hs. (Rua Afranio de Mello Franco, 290- Leblon- Rio de janeiro)

PARTICIPE DO MUTIRÃO SOBRE A TV CULTURA

Do Blog do Nassif por Luis Nassif

Movimento Salve a TV Cultura

Alguns pontos importantes para o movimento ser bem sucedido.

Não é questão partidária, é questão de Estado.

Para que o movimento ganhe consistência, o ponto mais importante será levantar estudos, trabalhos, opiniões que permitam mostrar uma estratégia economicamente viável de manter a Fundação Padre Anchieta. É preciso mostrar que o desmonte é alternativa de quem não tem ideias.

Por outro lado, é fundamental uma análise da estrutura da TV Cultura hoje. Há excesso de funcionários? Talvez. Há superdimensionamento de algumas áreas? É provável.

Mas só se poderá falar em reestruturação a partir do desenho da alternativa viável. O que seria a TV Cultura ideal? Que tipos de produtos elas poderia gerar para se sustentar? Qual o leque de programas que poderia fazer, integrando-se à vida cultural da cidade? Onde falta gente e onde há excesso?

A partir daí é que se pode falar na estrutura adequada. Não essa loucura de não definir nada e sair falando em corte de 1.400 pessoas.

Para a discussão ser profícua, fizemos o seguinte:

1.     Abrimos no Brasilianas.org um Bloco Temático para discutir TV Pública. Vale para todas as emissoras, incluindo a TV Brasil (Empresa Brasil de Comunicação). Clique aqui para acessar a Temática.

2.     Dentro do Bloco, abrimos um Mutirão específico para a TV Cultura (Fundação Padre Anchieta). Clique aqui para participar do mutirão.

Temas que precisarão ser levantados.

No campo geral.

1.     Fontes de receita para as TVs públicas.

  • Hoje em dia o tema educação à distância ganhou mercado. As TVs públicas podem ser ferramentas fundamentais de Secretarias da Cultura, da Educação, da Gestão, do Planejamento. Vamos tentar levantar dados sobre esses mercados, sobre contratos que já são estabelecidos com setor privado para esse tipo de trabalho.
  • Outra coisa: haverá tendência cada vez maior da área pública passar a ser geradora de vídeos. O Supremo já faz isso, assim como o Senado, o Planalto. As TVs públicas são a estrutura adequada para prestar esse serviço, de forma remunerada, a todos os poderes de seu estado, mais as diversas secretarias estaduais. Vamos levantar dados sobre contratos já feitos entre setor público e TVs públicas.
  • Lei Rouanet e outros instrumentos de financiamento da produção pública.
  • Aproveitamento do acervo cultural. Na gestão Mendonça tenou-se repassar a Cultura Marcas para pessoas ligadas ao partido. A Telefonica apresentado uma proposta de digitalização e exploração comercial conjunta de todo acervo da Cultura, mas foi abortada por Mendonça, que tentou montar um esquema paralelo (com pessoas do partido) para explorar a Cultura Macas. A manobra foi abortada com sua saída. Markun nada fez de errado e nada fez de certo. Na verdade, nada fez. Mas qual o potencial de exploração desse acervo riquíssimo?
  • Experiência internacional: levantamento da experiência em outros países, com PDFs, docs e outros tipos de documentos para enriquecer o debate.
  • Outras sugestões de produtos a serem desenvolvidos pelas TVs públicas.

2.   Governança nas TVs públicas

  • Hoje em dia, as TVs públicas em geral padecem de dois problemas cruciais: interferência dos governos-financiadores ou controle por grupos corporativistas. Em muitos casos os Conselhos não funcionam adequadamente, por restrições à sua atuação ou devido ao papel meramente figurativo. Precisamos de um bom levantamento sobre os principais problemas e sobre quais deveriam ser as atribuições dos Conselhos.
  • Não há preocupação com a profissionalização de muitas emissoras. Isto é, entregar a gestão a profissionais do ramo, sem vínculos corporativos ou políticos. Há uma tendência de «esse espaço é meu e ninguém tasca a mão» incompatível com o desafio de consolidar uma rede pública.
  • Precisamos de um bom levantamento das experiências internacionais de governança das TVs públicas e das experiências bem (e mal) sucedidas de não-profissionalização das TVs públicas brasileiras.

3. Programação cultural.

  • Uma TV Cultura deve apresentar programação de cultura erudita, sim. Mas existe uma vida cultural nos estados, emergindo dos pontos de cultura, das lan houses, que necessitam de um veículo forte para sua disseminação.
  • Quais as sugestões para que a cultura de cada estado seja efetivamente representada na sua TV pública?

4. TV Cultura

  • Um levantamento de vídeos, reportagens, fotos dos principais momentos da TV Cultura.

Atenção: para participar do Brasilianas.org, além de se cadastrar, assim que entrar na página temática de TV PÚBLICA clique no comando INSCREVER, que está na margem esquerda da página.

Para compreender a razão do Movimento aqui

TEATRO – “O Diário de Minerva”

O DIÁRIO DE MINERVA

Tragicomedia, de autoria de Cleuza Brandão.

Inspirado em histórias reais, o espetáculo conta a vida de uma transexual feminina que cria um mundo de fantasias em seu pequeno apartamento, onde a parte "corpo" é Hermes, seu melhor amigo, e a parte "alma" é ela mesma, Minerva. Uma relação apaixonada e por vezes conflituosa.

Durante o espetáculo é passado um vídeo clip em que a personagem sai pelas ruas da cidade em busca de emprego, num mix entre o mundo de Minerva e o mundo real, onde qualquer pessoa pode estar sujeita a situações de preconceito e discriminação. Muito interessante. Quem assiste se emociona.

O espetáculo será apresentado no Teatro dos Bancários dia 19 de maio, próxima quarta-feira às 21h, dia da I Marcha Nacional contra a Homofobia. O objetivo é contribuir para o debate em favor de forma positiva, através da expressão artística.

Os ingressos já estão disponíveis na bilheteria do Teatro dos Bancários, EQS 314/315 Sul e também pela internet, no site ingressorápido.com.br, categoria drama. O teatro conta com 430 lugares.

Este espetáculo é uma realização do grupo de teatro Amarraçao, sob direção de Cassius Vantuil.

Ator, Glauber Oliveira.

Ator coadjuvante no vídeo-clip Gelson Martins.

Produtora: Stúdio Guia Flex

Vídeo-clip: Olhar Multimídia