O TIRO DO REVOLUCIONÁRIO

‘O governo de ocupação de ‘Tsolakoglou’ (referencia ao primeiro ministro grego que durante a guerra, em 1941, colaborou com a ocupação nazista do país) aniquilou qualquer possibilidade de sobrevivência para mim, baseada em uma aposentadoria digna que paguei por minha conta sem nenhuma ajuda do Estado, durante 35 anos. Dado que minha idade avançada não me permite recorrer à força – embora se um grego empunhasse um Kaláshnikov, eu seria o segundo a fazê-lo -, não me restou qualquer outra solução para um final digno, antes de ser obrigado a buscar comida no lixo. Tenho fé que um dia os jovens sem futuro se erguerão em armas e na praça Sintagma pendurarão os traidores da nação, como os italianos fizeram com Mussolini em 1945′
(Bilhete deixado por Dimitris Christoulas, farmaceutico aposentado de 77 anos, que se matou com um tiro a poucos metros do Parlamento grego, nesta 4ª feira).

A Grécia encontra-se em recessão desde 2008. Sucessivos pacotes de ‘ajuste ortodoxo’ exigidos pelos credores, em troca de empréstimos para pagar os próprios bancos e fundos especulativos, fizeram explodir a pobreza e o desemprego que atinge quase 50% entre os jovens; o índice de suicídios cresceu 40% nos primeiros cinco meses de 2011. O último ‘acordo’ de ajuste assinado entre Atenas e a troika do euro, em fevereiro deste ano, passará à história como o mais draconiano e humilhante exemplo da rendição de um país aos mercados em tempos modernos.

O que se deliberou é pior até que os termos devastadores do Tratado de Versalhes, de 1919, que colocou a derrotada Alemanha da Primeira Guerra de joelhos, impondo-lhe reparações equivalentes a 3% do PIB por longos anos.

O ‘socorro’ acordado por Atenas (130 bi de euros) terá como contrapartida 150 mil demissões na esfera pública; cortes de salários e aposentadorias, privatizações em massa, a supressão de serviços essenciais e até de medicamentos na rede de saúde. Depositado em conta bloqueada e supervisionada por interventores do euro, o recurso será destinado prioritariamente ao pagamento de juros aos credores. Entre o final de abril e começo de maio, a Grécia vai às urnas eleger um novo parlamento; mais de um centurião do euro já sugeriu adiar o pleito, para o ‘bem do ajuste acordado”.

Para o bem dos interesses rentistas seria preciso colocar sob regime de exceção toda uma Europa incinerada pelo incêndio neoliberal que excreta recessão, desemprego e desespero da Grécia à Espanha, de Portugal à Irlanda. Em meio às labaredas as urnas ainda respiram: dia 22 de abril, antes do escrutínio grego, a França elege um novo presidente; na Espanha triturada por cem dias de governo direitista, acontecem eleições regionais. A evocação rebelde do farmaceutico Dimitris Christoulas convoca a consciência europeia a empunhar o voto com a determinação de quem maneja um lendário fuzil Kaláshnikov.

(Por Saul Leblon, no Blog das Frases, Carta Maior).

Anúncios

Uma resposta para “O TIRO DO REVOLUCIONÁRIO

  1. Lamentavel eh um governo cortar logo as verbas de aposentados em fim da vida para garantir emprestimos… tantas outras pra abater!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s