O FEMINISMO DA PERIFERIA

Por Debora Diniz – Antropóloga e professora da UnB. Via Carta Potiguar

O corpo semidesnudo da mulher egípcia é anônimo. Arrastado por policiais na Praça Tahrir, no Cairo, seu dorso foi exposto ao mundo. Um corpo já frágil, marcado por várias camadas de signos culturais: a abaya negra, longa túnica que cobre os contornos da sensualidade feminina, foi rompida e serviu de rede para carregá-la enquanto era espancada pelos policiais. O chute em seus seios indicava o ódio às mulheres que lutam pela igualdade. Além da força física, a violência policial se move por uma linguagem patriarcal repressiva: conter uma mulher manifestante exige um vocabulário sexual de opressão. O corpo exposto da mulher egípcia é uma violação de sua intimidade, mas também de um território religioso de pertencimento. O corpo de uma muçulmana é mais do que as fronteiras de sua existência, por isso a abertura da abaya para o mundo foi tão aterrorizante.

Há algo de paradoxal na cena, além do horror da violência. Para os países não muçulmanos, a abaya, o véu, a burca e todas as variações culturais de disciplinamento do corpo feminino pelo vestuário são sinais da opressão às mulheres. A verdade é que esses julgamentos culturais são bem mais complexos do que o simples reflexo em um espelho narcísico. O inquietante da cena está em reconhecer nessa mesma mulher disciplinada pela cultura religiosa a potência da resistência feminista à mão armada do Estado. Muita coisa mudou de Rosa Parker, a mulher negra que se recusou a sentar-se no lado segregado do ônibus em 1955 nos Estados Unidos, à mulher egípcia da Praça Tahrir, no Cairo, em 2011. Mas parece haver uma longa permanência nessas histórias. São mulheres anônimas as que iniciam e simbolizam as resistências políticas.

Essa longa permanência da luta política repleta de mulheres anônimas é também o que caracteriza o feminismo. Simone de Beauvoir foi a líder intelectual das mulheres burguesas que buscavam inspiração para a política feminista num tempo em que a França era um império da intelectualidade acadêmica. O giro geopolítico para os Estados Unidos fez com que as novas intelectuais do feminismo se expressassem em inglês. Foi daí que Judith Butler, a intelectual de uma geração de feministas queer e fora da norma heterossexual, saiu de seu gabinete na Universidade da Califórnia e discursou por alguns minutos no movimento Ocupe Wall Street, em Nova York. Com as tecnologias digitais, Butler percorreu o globo em poucos dias.

Butler não falou apenas para as mulheres, nem se lançou como a intelectual feminista do movimento. Falou em igualdade, fome e justiça. “Se esperança é uma demanda impossível, então nós estamos pedindo o impossível”, dizia Butler. A esperança, um conceito ao mesmo tempo cristão e ordinário, foi a tradução encontrada para igualdade. O impossível é uma ironia concreta: o fim da desigualdade, seja ela econômica, racial ou sexual, era o que movia os ocupantes de Wall Street. Butler foi recebida por milhares de jovens mulheres que havia semanas ocupavam a principal tribo do capitalismo global no Parque Zuccotti. O coro às suas palavras era “nós, o povo”. De uma visitante do movimento, Butler foi ascendida à intelectual do feminismo igualitarista por jovens mulheres que jamais concordariam com suas ideias sobre sexualidade.

Se Butler é a feminista dos livros e das universidades, a mulher egípcia de abaya desnuda é a feminista que nos move pela igualdade em uma longa permanência histórica. A mulher egípcia é uma feminista – um título que nos causa estranheza, dada a agenda branca, liberal, secular e burguesa que acompanha o movimento feminista no último século. Ela é a feminista de uma sociedade global em que as mulheres usam véu para reclamar igualdade e são protegidas por um cordão de homens para garantir o protesto contra a polícia. Feminismo não é apenas um nome que qualifica nossas vozes e existências, mas um substantivo sobre como se lançar no mundo patriarcal marcado por diferentes nuances de opressão às mulheres.

A verdade é que o feminismo que nasce do corpo de quem sofre a opressão – as mulheres das periferias, sejam elas da praça de Cairo ou do capitalismo global – é o que ferozmente rompe o silêncio da desigualdade. Minha hipótese é que sempre foi assim – só que hoje as histórias anônimas são rapidamente vistas e contadas pelas novas tecnologias digitais. Elas se lançam no horizonte político sem intermediárias: o corpo da mulher do Cairo é agora a imagem do movimento egípcio pelo fim da violência policial contra as mulheres. Do feminismo letrado de Beauvoir à esperança performática de Butler, a grande permanência do feminismo é a convicção das mulheres anônimas de que o patriarcado, a desigualdade e a violência de gênero são inaceitáveis.

Texto Publicado originalmente no Conteúdo Livre

Abaixo, o video da violência e repressão policial egípcia contra os manifestantes

Image of Egyptian army men stripping, kicking veiled female protester creates social media buzz

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s