SOBRE A CEGUEIRA DOS ESPECIALISTAS PSY NO CASO DO ATIRADOR ESTADUNIDENSE

Por Luis Horácio, no Portal do Nassif:

A Psicologia mais atuante nos EUA é a behaviorista, caindo frequentemente nos exageros do biologismo e da correção comportamental através de drogas, e são extremamente positivistas, nessa tradição empirista. Isso não é totalmente mal, mas limita o conhecimento sobre a mente e o próprio comportamento humano e suas vicissitudes e idiossincrasias. A chave é quase a mesma das Ciências Naturais e Exatas, de procurar padrões, criar classes e categorias e estabelecer perfis de enquadramento dos indivíduos. O que se destaca são os perfis que estão acostumados a fazer em todas as áreas. Isso somado ao alto grau de padronização da cultura americana, mesmo no que diz respeito a atitudes sociais, faz com que o grau de controle que têm sobre a psicologia dos cidadãos seja significativa. Quer dizer, há várias maneiras de procurar estimular ou direcionar o comportamento das pessoas, de maneira direta ou indireta.

Nesse caso, a situação toda está dentro do quadro político. Várias pessoas e especialistas ficam dizendo que não há informações suficientes, que não se sabe, mas isso não está correto. Sabe-se sim. Os videos do youtube são bastante elucidadivos sobre a instabilidade do atirador e sobre a vulnerabilidade dele diante de várias influências. Adotar esse comportamento de atirador infelizmente é uma resposta bastante conhecida nos EUA. Mas a diferença, como já foi dita no Blog, é que os alvos eram precisos, conhecidos e políticos, envolvidos na grande crise americana. E fez isso segundo uma trajetória comportamental da direita radical americana, ninguém sabe disso mais do que os próprios americanos.

O que está ocorrendo, então, com essas “análises” e com essas declarações? De “olha, vamos esperar”, ou “ainda não sabemos”, ou essa então, de que o cara que adotou um comportamento radical de direita é na verdade um terrorista da esquerda. Um absurdo! Mesmo que fosse um esquerdista, então pirou, porque agiu segundo os interesses do extremismo “branco” de direita. O que ocorre é que mais um plano “mirabolante” para agir de modo totalmente impróprio no Estado democrático foi por água abaixo, e da pior maneira possível, para seus artífices. Além de não se encaixar ou dominar o debate político americano, provocou um enorme trauma, uma grande tragédia, já de saída.

Não foi só a deputada, mas e as pessoas comuns, o cidadão americano que foi assassinado em um supermercado, no seu dia-a-dia? E a menininha de 9 anos? A questão é que já há informações suficientes (já havia antes esse clima  de “envenenamento” político, segundo os próprios analistas americanos) para se compreender como o clima político americano interferiu nas atitudes desse jovem atirador instável, independente de ter tido por trás alguma lavagem cerebral. Não muda o sentido das coisas. E estão tentando tirar essa carga enorme das costas de quem são, primariamente, os responsáveis por mais esse desastre, os artífices radicais e extremistas da direita ultraconservadora americana.

O fato de no Brasil ter se tentado importar esse modelo impróprio e desastroso mesmo lá nos EUA (não esqueçamos toda a era W Bush) é outro dado preocupante. No Brasil as desiguladades  sociais muito maiores, a debilidade maior das instituições ainda em formação, as enormes diferenças regionais e a grande diversidade do país, o nível educacional muito menor, são fatores que poderiam produzir aqui um efeito muito mais explosivo e catastrófico do que lá, imaginem só. Inaceitável que pessoas da dimensão política dos que promoveram esses atos  aqui no Brasil não tenham pensado nisso e nas consequências que poderiam (ou podem) ter. Não precisa nem cobrar a responsabilidade e os compromissos de cidadania. Basta a percepção lógica.

Comentário do Poli: o papel de uma psicologia e de uma psiquiatria, há muito tempo, é o de referendar, sob moldes ‘científicos’, aquilo que interessa ao estado burguês para a manutenção do seu modus operandi. É algo que Michel Foucault estudou e desnudou à exaustão, sobretudo n’A História da Loucura, e em um livro intitulado Os Anormais. Franco Rotelli, da vanguarda da desinstitucionalização, perfaz caminho semelhante, e mostra que à ciência psicológica, nos seus fundamentos metódicos, cumpre a função de alinhavar ao discurso do estado capitalista toda a manifestação que escapar à lei e à ordem: em outras palavras, a normatização.

Daí diferenciar desospitalização de desinstitucionalização, e demonstrar que, em vários locais, na Europa e principalmente nos EUA, o fechamento dos hospitais psiquiátricos constituiu uma piora no atendimento aos portadores de distúrbios mentais, e uma economia para os cofres do então incipiente estado neoliberal. Extingue-se a estrutura física de confinamento, sem no entanto modificar as relações sociais e hierárquicas que retiram ao discurso ‘louco’ a sua prerrogativa política e de direitos. O valor político da fala do ‘louco’ é nulo, e seus direitos, ignorados.

Por isso, não faz diferença se a inabilidade dos psicólogos e psiquiatras estadunidenses em compreender a motivação do mais recente atirador é fruto de estreiteza intelectual e aridez epistemológica, ou se se trata do uso ideológico da ‘ciência’ psicológica com fins de justificar o injustificável. No capitalismo, não existem vítimas.

Assim, pouco importa se são comportamentalistas, cognitivistas, psicanalistas ou humanistas. A questão é como o cabedal de conhecimentos de cada uma destas vertentes é utilizado.

Ainda: não se deve, com isso, crer que o fenômeno de acirramento do discurso da ultra-direita tenha chegado ao Brasil somente na eleição de 2010. Tampouco o uso do ‘especialismo’ por parte da mídia, para dar verniz de credibilidade ao seu ponto de vista é novo. Há décadas, especialistas do pavoneamento desfilam pelos estúdios de rádio e tevê, ávidos de concordar e adaptar ao jargão ‘científico’ de sua área, qualquer bobagem dita pela tevê, apenas pelo direito de exposição, por alguns segundos, e – de nossa parte – pelo reconhecimento mútuo da banalidade das duas partes.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s