A POTÊNCIA-LULA EM IMAGENS, QUE NEM A MÍDIA DOMESTICADA CONSEGUE ESCONDER

Do Blog do Nassif:

Por João Sabóia Jr.

Da Folha

Garoto-símbolo da reeleição diz que a vida melhorou, apesar de dificuldades básicas

MATHEUS MAGENTA

DE SALVADOR

De castigo por causa de nota baixa na escola, o garoto Everton Conceição Santos, hoje com 11 anos, diz que não pensou duas vezes para fugir de casa pela janela e ver o presidente Lula inaugurar casas populares em Lauro de Freitas (região metropolitana de Salvador), em 2006.

Diante da multidão no local, driblou os adultos passando por entre pernas e “saias de mulher”, até que um vizinho decidiu erguê-lo sobre o ombro.

“Foi quando dei de cara com o Lula e consegui pegar na barba dele.” O momento foi registrado pelo fotógrafo oficial da Presidência, e o garoto se tornou símbolo da campanha de reeleição de Lula. Desde então, Everton é conhecido como Lulinha.

Nos quatro anos seguintes, ele diz que a vida da família “mudou pra melhor”. Com o emprego que a mãe Odevânia conseguiu em 2007 (recebe um salário mínimo) e R$ 130 do Bolsa Família, ascenderam à classe D.

Entre 2002 e 2010, a massa de renda desses consumidores (com ganho familiar entre um e três salários mínimos) cresceu 161% -de R$ 146 bilhões para R$ 381 bilhões.

Com a nova renda, a família de Everton conseguiu comprar TV de 21 polegadas, videogame, DVD, geladeira e trocar o fogão.

CHÁ E PÃO PURO

“Antes, a gente só tomava chá e pão puro. Comida, só na casa da minha vó ou de vizinhos. Agora, tem pão, queijo, suco, tudo que dá vontade de comer”, conta o garoto.

Everton e três irmãos dormem em duas camas de solteiro no único quarto da casa -a mãe dorme no sofá da sala, onde está pendurada a foto do garoto com o presidente, autografada por Lula.

O salário de ajudante de cozinha permite agora que ela junte dinheiro para construir mais um cômodo na casa popular de 30 m2 que ganhou do governo.

Em 2007, em reunião com ministros, Lula chamou de “vergonha” o projeto das casas entregues -um dos embriões do Minha Casa, Minha Vida-, por ser tão pequeno.

Apesar do crescimento da renda, a família ainda enfrenta dificuldades como a falta de professores e filas em hospitais e postos de saúde.

“Quando a gente encontra médico, demora horas pra ser atendido. Não melhorou nem piorou nos últimos anos”, diz Odevânia. Sua família está entre os 160 milhões que dependem exclusivamente do sistema público de saúde, área apontada desde 2007 no Datafolha como a pior do governo Lula.

Everton ri ao falar sobre a posse de Lula em 2007, onde esteve como convidado oficial, mas fecha logo a expressão ao falar sobre o fim do mandato dele. Diz não conhecer “direito” a presidente eleita, Dilma Rousseff, em quem sua mãe votou.

“Sei só que ela é do partido do Lula. Mas ele vai voltar depois pra ser presidente. Vou ficar com saudades dele”, diz, rindo novamente.

Presidente Lula e o fotógrafo Ricardo Stuckert seguram o garoto Everton Conceição dos Santos durante visita à exposição fotográfica São Milhões de Lula _(Brasília, DF, 30/12/2006) _Foto: Domingos Tadeu/PR

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s