Evo Morales quer processar o FMI

Notícia retirada daqui

O presidente da Bolívia, Evo Morales, sugeriu, nesta segunda-feira, levar a juízo o Fundo Monetário Internacional, por destroçar a economia boliviana com a aplicação de políticas de privatização impostas a governos anteriores.

Evo afirmou que o FMI implantou políticas de privatização que resultaram em graves danos à economia boliviana.

“Na gestão de Gonzalo Sánchez de Lozada (1993/97 e 2002/03) nos impuseram políticas econômicas privatizadoras (…) essas foram suas receitas para descapitalizar o país”, disse Morales. Acrescentou que o FMI deve indenizar seu país pelos danos econômicos causado por essas medidas, que acabaram “aumentando a pobreza na Bolívia”. E continuou, “(o FMI) nos prejudicou o crescimento econômico(…) em algum momento terão que ressarcir os danos que fizeram à Bolívia e à América Latina, com suas políticas econômicas de privatização e saque dos recursos naturais”. Reafirmou que, desde que o país, no seu primeiro governo (2006), deixou de seguir as receitas do FMI” e se centralizou em “exportar políticas e programas econômicos e sociais”, aconteceu uma mudança na maré da economia boliviana e as reservas internacionais aumentaram para 9 bilhões de dólares. “Este é o melhor nível de reservas que já houve na história do país”, destacou o presidente da Bolívia.

As declarações surgiram como resposta aos protestos da Associação de Vítimas e Feridos de outubro de 2003, que denunciou Morales por não querer testemunhar contra Lozada e seus ministros, atualmente residindo nos Estados Unidos e são acusados pela morte de mais de 60 pessoas e cerca de 500 feridos. Diante da acusação, Evo respondeu que apesar do chamado outubro negro ter trazido luto e sangue ao país, é também urgente o “novo amanhecer” da Bolívia.

As políticas econômicas aplicadas por Morales conseguiram nacionalizar várias empresas importantes do país, incluindo as do petróleo, do gás e várias distribuidoras de combustíveis, assim como de telecomunicações, de eletricidade e siderúrgicas.

Durante 2009, a economia da Bolívia experimentou um crescimento de 4%, enquanto a inflação não passou de 2%.

Em abril deste ano, o presidente Evo Morales afirmou que a economia do seu país era uma das que mais havia se fortalecido, apesar da crise financeira que afetou grande parte das economias do mundo. Ele destacou que, nesse momento, a Bolívia obteve o índice mais alto em recuperação e crescimento entre os países da América Latina.

A 8 de outubro de 2003, na cidade de El Alto (oeste da Bolívia), começou uma greve cívica decretada pela Federação de Juntas Vicinais (Fejuve), com o apoio da Central Obrera Regional (COR) e da Federação dos Trabalhadores Gremiais.

O protesto foi convocado para defender os recursos naturais, como resposta ao projeto governamental de Sánchez de Lozada, para a exportação do gás para os Estados Unidos, através de portos chilenos.

Pelos acontecimentos, que deixaram um total de 68 mortos e mais de 400 feridos,ao longo de vários dias de protestos, o ex-presidente Gonzalo Sánchez de Lozada e seus ministros José Carlos Sánchez Berzaín, Jorge Joaquín Berindoagüe e o alto comando das forças armadas estão imputados pelos delitos de genocídio, lesões graves e outros.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s