PROCURADOR EDMÍLSON BARREIROS DO MPF PEDE A CONDENAÇÃO DE ARI MOUTINHO JÚNIOR POR ENVOLVIMENTO NO CASO PRODENTE

Ari Moutinho Júnior, ex-vereador de Manaus e atual conselheiro do Tribunal de Contas do Estado (TCE), teve a sua condenação, por conta do caso de compra de votos conhecido como Caso Prodente, pedida pelo procurador eleitoral do Ministério Público Federal (MPF), Edmílson Barreiros, nesta sexta-feira.

Edmílson Barreiros, disse que o julgamento do caso, feito pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE/AM), não está completo: “O próximo capítulo desse caso é o julgamento do TSE. Entramos hoje com um recurso para que a decisão também abranja o outro recorrido, Ari Moutinho. Ele também precisa sofrer a punição”.

Nelson Azêdo (PMDB) já teve seu mandato de deputado cassado por compra de votos. O TRE confirmou que o parlamentar usou a Fundação Prondente para obter lucro eleitoral. Nelson Azêdo ficará inelegível por oito anos.

Nelson Amazonas, implicado na ação, teve seu mandato de vereador poupado, mas ficou inelegível por oito anos. O “Caso Prodente” teve início depois que Nelson Azêdo apareceu em um vídeo, antes do período eleitoral de 2006, pedindo votos dos beneficiários da Fundação Prodente, em troca de atendimento.

Neste vídeo, Nelson Amazonas e Ari Moutinho Filho, aparecem também.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s