CINE-DOCUMENTÁRIO: “FAIXA DE AREIA”

Sinopse

Ela já foi tema de músicas e livros, fotos e poesias. Já serviu de cenário para filmes românticos, mas também abrigou imagens assustadoras da violência urbana. Quase sempre, serve de ponto turístico. No início do século XX, era local para tratamento das mazelas do corpo. Depois, virou cultura, modo de vida. No Rio de Janeiro, é praticamente a essência da cidade. Por conta de toda essa importância, o filme Faixa de Areia, documentário dirigido por Daniela Kallmann e Flávia Lins e Silva, finca as estacas de sua câmera nas areias do Rio de Janeiro e elege a praia como personagem principal de sua história. Ao longo de 95 minutos, as imagens revelam belezas e muitas realidades que convivem neste pequeno espaço entre o mar e o continente. http://www.faixadeareia.com.br/

Crítica do site http://www.cineweb.com.br em 03 de Maio de 2007 e assinada por Alysson Oliveira

Parece ser um consenso entre os cariocas que o rico e o pobre, o branco e o preto, a Vieira Souto e a Rocinha se encontram na orla da cidade do Rio de Janeiro. É sobre esse conceito que se apóia o documentário Faixa de Areia, de Flávia Lins e Silva e Daniela Kallman. É pouco mais de uma hora e meia batendo no mesmo assunto, sem acrescentar ou provar nada.

Falta ao filme um certo conteúdo, algo em que se embasar, ao invés de dezenas de banhistas comentando o quanto o Rio de Janeiro é lindo, o quanto as praias são maravilhosas, e como a luta de classes não existe nas areias de Copacabana – o que, como todos sabem, é mera ilusão, dados os altos índices de violência na cidade nos últimos meses.

Até há assunto em Faixa de Areia, mas suficiente apenas para um curta. Para se fazer um longa do nada é preciso algo mais do que corpos esculturais – alguns nem tanto – sol, areia e mar. Há também no filme problemas que são discutidos por documentaristas desde quando o documentário é documentário. As diretoras intervêm demais nas entrevistas, conduzem demais seus entrevistados, dando pouca liberdade para eles se familiarizarem com a câmera a ponto de esquecê-la e se abrirem de verdade, e não apenas dizer aquilo que é bonito. Ou, então com perguntas desnecessárias, como aquelas feitas a um grupo de catadores de latinhas.

Assim, desperdiçam boas figuras que poderiam gerar mais do que o mero comentário de que na praia do Rio todos são iguais. Entre os entrevistados estão travestis, garotas de programa, rapazes da comunidade e a famosa jogadora de vôlei Isabel – autora de um dos comentários mais infelizes do documentário. Ela diz que o Rio de Janeiro é um “paradise”, em inglês, mesmo – só corroborando com a idéia de que esse tal paraíso tropical só existe na mente dos turistas ou dos muito ingênuos.

—x—x—x—x—x—x—

Crítica do blog http://refugiodocinefilo.blogspot.com/ em 6 de Abril de 2010

Dia desses zapeando os canais da NET paro no canal Brasil, e vejo que passa um documentário sobre praias. Com sorte, observo que acompanho os créditos iniciais. Comemoro. Vou assistir ao programa inteiro, era o que eu mais queria naquele momento. O documentário em questão se chama Faixa de areia.

O filme das diretoras Flávia Lins e Silva e Daniela Kallman extrai diferentes pontos de vista dos entrevistados sobre a ida a esse espaço entre o asfalto e o oceano. E os tipos são muitos. Casais que se conheceram e estão juntos até hoje, vendedor de quitutes que comprou casa e paga o estudo dos filhos com o lucro dos dias de sol, patricinhas que vão paquerar e ser paqueradas, playboys ,gays. Do leme ao pontal a idéia é interagir e se divertir.

Na fala dos entrevistados uma idéia persiste. A praia é um espaço democrático. É lá onde ricos e pobre se misturam com o mesmo propósito. Bebem, comem, riem, tomam banho de mar, pegam jacaré. A entrada é franca, não existe muro de concreto para separar os granfinos da Avenida Atlântica e Vieira Souto da ”massa” que vem do subúrbio ou da baixada. Mesmo sem a presença de uma barreira física, no entanto, é evidente a divisão entre os vários tipos que freqüentam o lugar. Cada tribo tem o seu espaço, os gays no posto 9 de Ipanema, os mauricinhos e patricinhas no posto 10, os suburbanos no outro lado, de preferência longe.

Na praia do Flamengo, uma mulher elogia o local por ser tranqüilo e ter muitas famílias; quando questionada se a incomodaria se ônibus vindo do subúrbio parassem naquele ponto, ela foi enfática: " incomodaria sim”. A moça reclamou que seria ruim dividir o espaço com pessoas sem educação e crianças que correm jogando areia para todo lado. Ela com uma sinceridade assustadora ainda levantou uma questão. ” não tem o piscinão de Ramos? Por que eles não vão para lá?”.

De maneira sutil, sem esbarrar no clichê hipócrita e politicamente correto do ”rico opressor x massa trabalhadora oprimida e discriminada”, ‘Faixa de Areia’ convida o espectador para uma reflexão. Afinal, até que ponto a praia é um ambiente democrático? Pode ser considerado democrático um lugar cuja população rica, instruída se divide daquela com renda (status quo ) inferior por não compreender e (ou) não aceitar seus hábitos?

Não existe maniqueísmo em ‘ Faixa de Areia’ ; antes de mais nada ele faz uma ode às belas praias do Rio de Janeiro desde as famosas e badaladas Copacabana, Ipanema,Arpoador e Barra até a belíssima e quase deserta Grumari. Em um espaço heterogêno, as diferenças sociais e ideológicas existem e são evidenciadas com a proximidade e o contato humano, quando os conflitos vem à tona. As documentaristas filmam, e observam esta interrelação com sábio distanciamento. Belo documentário esse Faixa de Areia.

Parte 2     Parte 3     Parte 4     Parte 5     Parte 6     Parte 7     Parte 8     Parte 9

Anúncios

Uma resposta para “CINE-DOCUMENTÁRIO: “FAIXA DE AREIA”

  1. Gostei muito.

    Mostra o que realmente é.

    O que antigamente se dizia:

    Cada macaco no seu galho,,,hoje continua no:

    Cada um no seu quadrado.

    Quem falou que a praia é democrática,,,foi politicamente

    correto,,,ou ainda não percebeu a real…a realidade.

    rsrsrs

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s